Artes Marciais – Kendô e Kenjutsu

Artes Marciais – Kendô e Kenjutsu

Revelando as Artes Marciais - Kendo e Kenjutsu
Revelando as Artes Marciais – Kendo e Kenjutsu

Kendô / Kenjutsu

No Japão, assim como no restante da Ásia, a palavra “transformação” atinge tudo o que a mente alcançar, inclusive as artes marciais. Neste caso, o Kendô é um fruto direto do Kenjutsu, artes marciais que utilizam espadas. Kendô, aliás, significa “caminho da espada” em tradução livre. Nas próximas linhas você entenderá o porquê da ramificação delas, bem como a sua história e propósito.

Origem

O Kenjutsu data do século XVI. Na época, o período Kofun estava vigente no Japão. A arte da espada foi ensinada aos soldados samurais Sakimori, encarregados de vigiar e proteger as fronteiras da região contra invasões. Mesmo após tanto tempo, é creditado como a arte marcial que preserva fielmente os ensinos dos guerreiros samurais em nosso tempo.

Os praticantes da técnica começaram a buscar caminhos alternativos para a elevação humana, não apenas com o uso da espada, mas também com a compreensão dela. Devido à sua natureza, o Kenjutsu evoluiu e se ramificou, originando variações conforme onde era ensinado. Daí surgiu o Kendô.

O Kendô como é trabalhado hoje foi criado no século XX, embora alguns dados da sua primeira projeção datem de séculos anteriores. Esta ramificação foi criada com o intuito de simplificar o Kenjutsu, de modo a reduzir a complexidade da arte original em quatro golpes mais simples. Segundo os especialistas, isto serve para avaliar o andamento da competição, bem como a evolução do caráter dos lutadores.

Revelando as Artes Marciais - Kendo e Kenjutsu
Revelando as Artes Marciais – Kendo e Kenjutsu

Características

Em suma, é difícil especificar toda a extensão do Kenjutsu. Isso acontece por conta das variações que a arte possui. Contudo, basicamente, o Kenjutsu utiliza uma espada de madeira chamada bokken ou bokutô para prosseguir com o combate. Devido a natureza da arte marcial, é necessário o uso de proteção chamado bogu, uma espécie de armadura, e uma shinai, espada de bambu.

Além deles, o fukuro-shinai também pode ser utilizado. É uma espada parecida com a shinai, usando o comprimento de uma katana e confeccionado com várias tiras de bambu unidas por tiras de couro.

O Kendô possui uma estrutura semelhante ao progenitor, Kenjutsu, contudo minimiza a arte marcial em quatro golpes básicos. Isso maximiza o uso da técnica, evitando o desperdício de energia com algo que não pode ser relevante ao momento. Além disso, o Kendô abre as portas das suas bases para além do Kenjutsu, acolhendo a prático e cultivação do espírito, além do Reigi (etiqueta).

Propósito

Em seus primórdios, o Kenjutsu foi utilizado como arma de defesa contras as forças inimigas que tentavam violar o território do Japão. Com o passar do tempo e o aumento da pacificação da nação, passou a ser uma arte marcial voltada para a formação do indivíduo. Entenda-se formação como crescimento espiritual, mental e físico de uma pessoa. Até os dias atuais, o Kenjutsu é considerado uma arte tradicional e única.

O Kendô continua e complementa os princípios do Kenjutsu, fazendo com que o lutador aprimore as suas capacidades físicas e mentais enquanto praticante. Contudo, ele procura ir além. Devido a minimização do gasto de energia e maximização dos golpes, seu propósito como arte marcial também passa a cuidar dos indivíduos envolvidos.

O Kendô procura não desperdiçar os golpes, bem como acertar pontos incorretos do adversário. Além disso, o atacante deve ser incisivo na hora da luta, mas sem atingir um risco de morte ao oponente. Ele deve apenas atacar para romper a postura de defesa do seu adversário.

A postura estrutural que ambas as artes exigem ensina um conceito sobre o controle pessoal físico e mental de seus lutadores.

Deixe um comentário